Filosofia – Resumo das Aulas de Filosofia para a B1

Posted on 04/04/2011

2


A Filosofia

Como vimos o objeto fundamental da filosofia e uma compreensão critica da realidade.
Os filósofos procuram analisar a realidade a fundo, compreender bem os problemas evitando conclusões precipitadas, premeditadas, dogmáticas.
A reflexão filosófica implica numa critica estruturada visando uma reconstrução do mundo.
A filosofia de fato proporciona um pensamento subjetivo, esse subjetivo é a tradução do pensamento estruturado e subjetivo.
A filosofia então é uma reflexão que procura atingir um nível de profundidade de conhecimento da realidade, mas que procura também atingir esse nível pondo em ação as características do próprio sujeito distinguindo-se do conhecimento cientifico.
A filosofia mais do que uma forma de conhecimento implica numa atitude critica especulativa diante dos problemas e evidencias do cotidiano.
Ela pressupõe que o filosofo tenha uma mente aberta, sem preconceitos.
A filosofia mais do que apreender a verdade luta pela sua busca mais do que a resposta. Acredita que a pergunta levara as novas respostas por sua vez acarretara em novas perguntas…

Como nasce um filosofo

A filosofia para Platão inicia com o espanto para Aristóteles. Ela se inicia com a admiração. A filosofia ainda que possa parecer uma especulação vazia ela corresponde a uma tendência profunda da realidade humana. Todos nos sentimos desde a infância uma necessidade de encontrar explicações para aquilo que nos rodeia.
Buscamos construir uma imagem de mundo.
O homem é o único ser capaz de problematizar a ele próprio e se interrogar sobre o universo que rodeia, sobre os fenômenos naturais, sobre sentido da historia a sua existência do mundo e a própria justiça.
O Filosofo então assume um papel importante porque é ele que afirma a necessidade rigorosa do saber.
O filosofo tem o conhecimento essencial com a verdade.
A Filosofia do direito é um ramo da Filosofia e não um ramo do direito.
A filosofia empresta esse plano para auxiliar a sintonia entre o conhecimento teórico do direito e a sua efetiva pratica justa, em resumo a filosófica procura articular harmoniosamente a teoria com o saber agir ( pratica ).

Mito e Rito

O mito existe para tentar se envolver numa primeira teoria sobre o problema cosmológico (Visão do mundo). O Homem primitivo fascinado com o mundo que o rodeava busca interpretá-lo, dotá-lo do significado. Há um preconceito com as posturas místicas, pois alguns caem na tentação de dizer, de pensar que as explicações fantasiosas do homem primitivo são desprovidas de critérios, de racionalidade.
3 Tipos de dominação:
Religiosa
Econômica
Carismática
Essa tendência de achar que i mito seria apenas uma explicação fantasiosa destituída de raciocínio é preconceituosa. Observamos-nos que os homens míticos colocavam em cena as forças da natureza que eram personificadas em deuses e heróis, buscando ate mesmo uma explicação poética para a origem do universo.
Alguns elencam que o homem mítico perante os problemas da natureza postos pelo homem primitivo vai construir uma explicação sobrenatural do mundo. Ele procura uma resposta completa de interpretar o mundo, e o mundo. Assim o mito surgiu como uma primeira tentativa de unir em uma visão global os acontecimentos naturais e sócios culturais múltiplos, diversos e desorganizados.
Os acontecimentos narrados pelo mito se referem aos problemas relacionados com a origem dos deuses e com a origem do próprio homem.
O homem utiliza o mito como meio de inserção num determinado grupo sócio cultural.
O mito serve até para agrupar e regular os grupos em que o homem se insere.
Estas explicações míticas estão diretamente relacionadas com a imaginação e no sentimento do homem primitivo que é importante para dominar os fenômenos naturais de um mundo que é apresentado a ele de um modo hostil.
O homem primitivo projeta os sentimentos, desejos e ambições e medo nos deuses e nos fenômenos naturais.
O mito então conta uma historia sagrada, com um acontecimento primeiro que aconteceu no inicio dos tempos, “Ab initio”.
O mito é um conhecimento inicial graças ao qual no mundo deixou de ser incompreensível para o homem passando a ter um significado, uma ordem.
O rito existe para garantir a existência do mito. Todos os atos humanos em função do rito só terão valor na medida em que forem repetidas varias vezes as ações primeiras.
O mito não é apenas uma forma de ligação do homem a realidade natural e sócia cultural que o rodeia. Todos os atos significativos da vida cotidiana para o homem primitivo, constituem repetições realizadas por deuses e heróis “ab orign”
Em algumas sociedades o feiticeiro, mágico visa através do rito conhecer os desígnios, vontade dos seres sobrenaturais. Não é difícil constatar que estes mágicos foram os primeiros a deter o poder na terra. O mundo se revela ao homem primitivo através das suas estruturas e seus ritmos.
Sendo assim a titulo de conclusão uma reflexão se impõe:
“Podemos considerar nessa mentalidade do homem primitivo completamente destituído de racionalidade?”
Não, uma vez que para o homem mítico elaboram a sua visão de realidade aplica estruturas racionais e operação lógica, ou seja, ele pensa, raciocina.

Grécia até os Sofistas

No século VI ou VII a.C. começa a germinar na Grécia antiga o pensamento racional sistemático e organizado tal como o homem primitivo os primeiros pensadores gregos se preocupavam com os problemas cosmológicos.
A filosofia teve inicio na Grécia antiga por alguns fatores.
1- Fator geográfico era privilegiado. Ela tinha facilidade de intercambio cultural e cientifico com outros povos avançados para a época. Ex.: Babilônia, mesopotâmia, Egito.
2- Intercambio mercantil com os demais povos.
3- graças a todos esses fatores houve um avanço na técnica da navegação, agricultura.
4- O homem na Grécia antiga se preocupou mais em observar a natureza com o mais afinco, buscando evidencias e dotar de significado as questões universais.
Surgem os filósofos – pré-socrático.

PRÉ-SOCRÁTICO – Elementos Naturais
SOCRATES X SOFISTAS  PLATÃO  ARISTÓTELES
POS-SOCRÁTICO

Os filósofos pré-socráticos estavam voltados para o problema da origem do universo, para os problemas cosmologicos.
Esses filósofos ainda estavam inseridos dentro da cultura grega que englobava como é obvio a mitologia grega. Está talvez deixe de ser como para a mente desses filósofos, que não alem daquilo que era estipulado como oficial.
Estes pensadores pré-socráticos passam a atribuir a elementos naturais causas, fundamentação para a origem do universo. Para um a origem do universo estaria na água, para outro no fogo, para outro no ar.
É fundamental destacar que pensamentos pré-socraticos ficam cada vez mais abstrato no momento que atribuem aos elementos matérias naturais a causa para origem do universo.
Se observarmos os pensamentos de Anaximandro de Mileto (611-547 a.C.), Tales de Mileto (624–548 a.C.), Anaxímenes de Mileto (588-524 a.C.), Heráclito, Pitágoras de Samos, observaremos um crescente na sistematização, na complexidade e na racionalização nas explicações oferecidas ( nos observamos aqui o homem lentamente se afastando do mito.

Sofistas

A democracia Ateniense.
Nas cidades gregas de colonização, duas cidades se sobressaem as demais, Atenas e Esparta.
Atenas se sobressai as demais cidades inclusive no campo econômico pois sua moeda se empunha as demais. Ela se sobressai também no campo intelectual.
Fundamental compreender que Atenas antiga estabelece um sistema de governo essencial para o seu desenvolvimento nomeadamente democracia.

Demos + Kratos ou Kratia
Povo + poder ( governo )

1 Grecia Hemerica 1100 ªC
2 Grecia Arcaica VII – V ªC Fundação de cidades ( Atenas , Esparta, Tibas )
Aumento da vida urbana
3 Grecia Clássica V – IV ªC Auge da vida intelectual e artistica
4 Grecia Helenistica IV ªC – VI d.C invasao de alexandre
imperio Romano

Uma das conseqüências da democracia grega é a importância da retórica, o orador passa a desenvolver um papel fundamental, convencer os cidadãos na assembléia e praça publica.
“Um homem justo diz o que o povo tem que ouvir e não o que o povo quer ouvir”
“O direito é Georgiano”
Na praça publica ateniense a oratória era a principal arma e o meio de sucesso do homem grego, uma vez que o sucesso obtido pelo domínio concidadãos. E neste quadro que surgem os sofistas, eles eram professores que se propunham em ensinar os jovens políticos, reitorica, cobrando altos preços pelo ensinamentos. Geralmente os sofistas são apresentados nos livros como enganadores, porem eles foram agentes de uma transformação profunda na sociedade grega. Protágoras e Borgeas foram seus maiores expoentes e procuraram incentivar os jovens na vida publica promovendo uma educação que chamavam de cultura humanística.
O método dos sofistas consiste na utilização da persuasão, no desenvolvimento da capacidade de convencer os demais na agora ( praça publica, forum).
Os sofistas demonstram um saber enciclopédico e o saber é um meio de dominar a vida .

Socrates

4 fontes históricas de Sócrates
1 – Platão
2 – Xenofonte
3 – Aristófanes
4- Aristóteles
Platão e Xenofonte ( marqueteiros de Sócrates ) estiveram no julgamento de Sócrates e ambos escreveram um livro. “Apologia de Sócrates” – um de Platão e outra de Xenofonte.
Aristófanes escreveu “As nuvens” ele não gostava de Sócrates.
Aristóteles é fonte suspeita pois alguns acreditam que os dois não viveram na mesma época.
Sócrates é considerado o filosofo da coerência entre a ação e o pensamento. O melhor retrato desses filósofos encontrado na “Apologia de Sócrates”. Esse filósofo lhe assumiu uma missão filosófica de procurar a sabedoria.

Se existia para Sócrates um homem sábio, quem é ele? E em que consiste a sua sabedoria? Serão os poetas, artesãos, serão os políticos deste modo senão existir um sábio cabia a Sócrates denunciar essa falsa sabedoria.
Sócrates então não tem nada para ensinar, ao contrario dos sofistas. Ele quer criar a duvida em seus espíritos para que insatisfeitos busquem o saber. Sócrates vai fazer uma antropologia bem definida: O homem é o ser moral, o ser ético, o ser capaz de uma atividade pensante e que age eticamente.
Isso vai atingir o seu ponto máximo na medida em que Sócrates tendo possibilidade de fugir não o faz buscando coerência entre o seu pensamento e o modo de agir.

Platão

“Não existe relativismo moral, a verdade é uma só “ .
O que tange a relação entre Sócrates e Platão temos 3 correntes doutrinares:
1 – Sócrates foi inventado por Platão
2 – Retrato Fiel de Sócrates.
3 – Ele retrata facilmente Sócrates e vai demonstrando seu próprio pensamento.
A republica traduz o ideal político de Platão (nós já podemos atribuir a republica como sendo de autoria do próprio Platão).
Na republica de Platão demonstra que a sociedade, a comunidade deve ser orientada pelos justos saber.
O saber onde a retidão de comportamento deve orientar o comportamento social ( aliando –se aqui a teoria e a pratica ). Platão viu que a morte de Socrates e sabia e defendia que o filosofo não tem lugar na cidade a não ser com o chefe ou como diria Platão:
“para que a vida, digna de ser vivida seja possível é fundamental que os filósofos se tornem reis ou que vai dar mais ou menos o mesmo que os reis se tornarem filósofos.”
Nota-se a diferença entre o dialogo de Socrates e Platão através da linguagem. Socrates propunha apresentar o conhecimento, o dialogo enquanto Platão impunha o conhecimento.
Platão defendia que as mulheres deveriam ser coisas publicas, que apos uma batalha o pelotão se reuniria e decidiria se o comandante seria ou não o mesmo na próxima batalha. Defendia que a Verdade deveria ser imposta mesmo que isso cause dor pq o povo é uma criança.

Aristóteles

Foi discípulo de Platão, foi mestre de Alexandre o grande.
Ele acreditava que o homem tinha uma vocação natural para viver em sociedade. Segundo Aristóteles o homem que vivia sozinho ou era um Deus ou uma besta. Definia o homem como um ser político.
Dois pontos são importantes em Aristóteles.
1- questão do direito natural
a. fogo queima em qualquer lugar mas não com a mesma intensidade
2- Questão da equidade

A lei tem caráter geral e faz com que a lei , em determinado casos, pode ser injustas ou de difícil aplicação, daí intervem a equidade que tem a finalidade de buscar a própria justiça que a lei deve realizar.
Para Aristóteles significa a retificação da lei naquilo que ela se revela injusta ou de difícil aplicação.
Um conceito de direito natural que o homem nasce consciente de certos direitos que são essenciais. Esses direitos, se observarmos as diferentes gamas de sociedade existentes constataremos necessariamente um fio condutor. Sendo que esses direitos pareceam-se.
Aristóteles chegou a conduzir seu mestre Platão.

Cícero
“Jus Naturalismo e Positivismo”
“Frederico Márquez – O Júri”
“Grécia capturada as ferozes vitoriosos capturou” Horacio.
GRÉCIA capturou Roma, os gregos tinham escravos burros , os romanos não.
“Ver bibiografia de Julio César.”
Cícero é um intermediário entre a filosofia grega e a filosofia latina. Cícero foi economista e advogado de Julio Cesar,  nasceu em 106 ªC morrendo no ano de 43.
“Se Cícero fosse influenciado só por Aristóteles, sendo assim o direito nasceu jus naturalista’”.
Há enorme discussão sobre quem especificamente teria influenciado Cícero, segundo alguns ele terá sido influenciado pelos estóicos ( era filósofos de Estoma ).
“Filósofos obsecrados pelas éticas “
“Marco Aurélio- Filosofo estóico – Meditações”

Outros buscam prover que Cícero teria sido exclusivamente influenciado por Aristóteles. De fato Cícero teria sido influenciado por Aristóteles pois o conteúdo de suas obras são Aristotelas. Porém vale lembrar que Aristóteles foi discípulo de Platão. Esse fato corrobora ainda mais a tese de que Cícero foi influenciado por Aristóteles, resumindo:
O conteúdo da sua obra e Aristotela, mas seus títulos revelam influencia de Platão, exemplo, A republica, as Leis.
Cícero acreditava tal como Aristóteles na existência de uma razão universal.
Cícero acreditava que nem tudo do que era do direito seria forçosamente justo, pois se assim fosse às leis dos tiranos, ditadores, seriam justas.
Há um justo perene ( eterno, universal ) que é reforçado pela própria consciência ou coração dos homens. Há um direito comum a todos od povos fazendo um fio condutor comum a todos os homens.
Cícero ainda aprofunda Aristóteles quando salienta que o estado é um produto da natureza, um instinto natural do que empurra o homem para a convivência política. Esse conceito de direito natural de Cícero está profundamente ligado a questão de equidade.
Essa filosofia de Cícero ganha força em Roma antiga até o cristianismo.

Cristianismo

Patristica – Santo Agostinho – ( Confissões de Sto. Agostinho ) influenciado por Platão
Escolástica – Sto. Thomas de Aquino – influenciado por Aristóteles

Começou na Palestina como filosofia moral.
“O Rei Arthur” Filme.

Mais somente com esse casamento de conveniência entre o cristianismo e o império romano e que ele ganha corpo político e jurídico.
Um dos pilares que levou o cristianismo a servir sustentado para políticos e para o corpo jurídico seria a seguinte premissa.

Se o mundo é governado por um Deus pessoal logo devemos considerar o direito emanado de uma ordem divina e o estado como uma instituição divina

Patristica
“Denominador comum de todos os Cristãos”
Santo Agostinho ( influenciado por Platão)

Santo Agostinho foi o principal expoente da patristica. A patristica vai desde o cristianismo até Carlos Magnum , + ou – 800 d.C.
Santo Agostinho de fato é seu principal expoente, em sua obra  “A cidade de Deus”  ele apresenta sua tese sobre Humanidade, estado e sua tese sobre o mal.
Nessa obra ele evidencia que o  estado terreno está fadado, pré-destinado ao pecado a decadência.
1º Porque o estado e feito da junção do povo, coletivo e o povo traduz a junção de homens e os homens são pecadores por natureza.
2º Santo Agostinho  tinha sobre seus olhos a decadência moral política e jurídica do império romano.

A sociedade perfeita ( que , para Platão seria o mundo ideal, em santo agostinho é Deus, seria a cidade de Deus.)

Cidade perfeita narrado na bíblia, um dia soçobrará (desaparecerá) dando lugar a cidade celeste. A cidade termina aspira a cidade de Deus pois um dia participará das beatitudes das cidades celestes.

A teoria de estado de Santo Agostinho e bem clara, despreza o estado terreno valorizando a vida depois da morte.

Tagaste ( Argélia ) foi onde Santo Agostinho nasceu.

 

About these ads